Desistir não é opção! Conheça as batalhas de vida e carreira de Luiz Comazzetto

Quando os desafios pessoais e profissionais testaram os limites de Luiz Comazzetto, ele buscou motivação e força nas pessoas que contavam com ele. Em uma trajetória repleta de superações, ele sempre contou com alguns elementos importantes para superá-las: a construção de relacionamentos fortes, responsabilidade, disciplina e bons mentores.

Uma carreira bem-sucedida, seja no mundo corporativo, como palestrante ou, mais recentemente, como sócio-investidor do restaurante Le Bife, só foi possível graças à garra e obstinação por superar resultados! Recentemente, Luiz travou duas batalhas tão igualmente difíceis quanto importantes: em meio ao processo de recuperação judicial da empresa que comandava, a Officer, enfrentou um grave problema de saúde e teve que lutar também pela sua recuperação física.

Em um papo com o Blog da Knowe.co, Luiz Comazzetto, conta sobre este episódio, fala sobre sua carreira e alguns aprendizados que podem ser úteis a profissionais de todas as áreas e idades.

Trocando o negócio da família pelo mundo corporativo

A carreira do Luiz começa quando, com seus familiares, ele fundou o Acampamento Aruanã, que fica próximo à capital paulista e é uma referência no país em viagens escolares educacionais e em temporadas de férias para crianças e adolescentes. Lá, ele identificou sua facilidade de comunicação e habilidades na área comercial.

Apesar de amar o que fazia, começou a perceber que todo o potencial que tinha deveria ser usado para outros negócios e decidiu explorar novas oportunidades. Nessa primeira decisão importante de carreira, teve o apoio de dois mentores.

O primeiro foi seu pai, que sempre teve uma presença muito marcante, orientando-o sobre sua vida profissional. “Ele me incentivou demais. Ele não queria que eu trabalhasse apenas no Aruanã, ele queria que eu fosse para o mundo corporativo, para alçar voos mais altos”, recorda Luiz.

Luiz entrou para o mundo corporativo através do amigo da família Marcilio Pousada, atual Presidente da Raia Drogasil. Na época, Marcílio era responsável pela OFFICENET (atual Officenet Staples), e-commerce de artigos e equipamentos para escritórios, e o convidou para fazer parte do time dele na área de Compras. “Ele dizia que eu era muito bom para trabalhar em negócio de família e poderia ir muito longe”, diz Luiz sobre o convite.

Alçando novos voos

Após um início promissor na OFFICENET, em que percebeu que suas habilidades na área comercial eram mais fortes do que na área de compras, foi convidado para ser Supervisor de Vendas da Ambev e não pensou duas vezes para aceitar a oportunidade. Ele logo se destacou vencendo uma campanha de incentivos e, em menos de um ano de empresa, foi promovido a Gerente de Vendas.

Na Ambev, conheceu seu terceiro mentor: Maurício Panzarini. Acompanhando de perto seu trabalho, Panzarini lhe deu dicas valiosas, que o ajudariam a moldar sua vida. “Ele me deu vários toques em relação à disciplina. ‘Acorde cedo, crie e administre sua rotina, foque no planejamento e sempre tenha tempo para sua família’. Isso me ajudou a estabelecer prioridades e organizar meu ritmo de trabalho. Tive muitos reconhecimentos e consegui me destacar muito dentro da companhia, construindo uma equipe forte e guerreira”, compartilha.

Seus bons resultados na Ambev lhe renderam um convite para participar do startup da TIM em São Paulo. A operadora de telefonia móvel havia iniciado seu trabalho no Brasil em 2002 e Comazzetto começou como Gerente Territorial da empresa em São Paulo em 2003, em que seu desafio era consolidar as operações da companhia no Brasil.

Pelo trabalho feito na TIM, foi convidado para fazer parte do time da Nokia, maior empresa de telefonia móvel do mundo naquele momento e lá ficou até a empresa ter sido adquirida pela Microsoft.

O reconhecimento profissional

Na Nokia, enquanto era Gerente Nacional de Vendas, participou de um programa de desenvolvimento, em que ele passou por um processo de coaching com Roman Santini, um profissional argentino que o inspirou muito. Desse processo, além de muito desenvolvimento pessoal e profissional, veio a vontade de transmitir seu conhecimento para outras pessoas.

Durante sua trajetória na Nokia, contou com o apoio fundamental de Almir Narcizo, presidente da companhia na época. Ele marcou a carreira de Comazzetto com a seguinte frase: “tem muita gente tecnóloga, mas ‘gentóloga’ tem pouco”. Por conta de suas características pessoais, como liderança, comunicação, empatia, Luiz percebeu que ser “gentólogo” era seu diferencial junto às empresas e times que liderou. E passou a exercitar cada vez mais suas habilidades e relacionamento interpessoal.

Seu empenho no trabalho, aliado à capacidade de escuta e de aplicar na prática os conselhos que recebia, fez Luiz ser promovido a Diretor de Vendas da Nokia, além de ser reconhecido como o colaborador que mais representava o Valor EMPATIA da companhia.

“Durante toda minha vida profissional, sempre recorri às pessoas nas empresas em que passei. Nos momentos importantes, sempre tive alguém para me dar um pontapé, fossem eles informais ou por meio de algum programa formal da companhia. Esses reconhecimentos foram importantes e a prova de que quem se preocupa em aprender constrói uma trajetória de superação e sucesso”, pontua Luiz.

A dupla batalha

Com uma trajetória bastante consolidada e repleta de superações, Luiz se deparou, em 2016, com seu maior desafio de vida e carreira até então. Ele havia recém-assumido a presidência da Officer, um dos principais distribuidores de informática e automação comercial no Brasil, em um processo de reestruturação e recuperação judicial.

Contando com o apoio de uma consultoria especializada no assunto e o engajamento dos funcionários, Luiz estava desenvolvendo um trabalho duro, porém necessário, para retomar a confiança do mercado em relação à companhia e resgatar o moral da equipe. Durante esse processo, ele fez uma cirurgia de correção de refluxo que parecia ser relativamente simples. No entanto, por um erro médico, a cirurgia teve complicações que quase tiraram sua vida.

Três dias após a primeira cirurgia, Luiz entrava novamente no centro cirúrgico para retirada da vesícula e para salvar o fígado que estava necrosando e que, por pouco, não foi todo comprometido. Ele teve grande parte do seu fígado retirado e o pós-operatório foi complexo, em que ele teve diversas complicações. Entre indas e vindas, Comazzetto ficou 63 dias no hospital.

Enquanto estava no processo de recuperação de sua saúde, a empresa seguia com o processo de recuperação judicial. Como CEO, Luiz precisou conciliar as duas recuperações e fez um combinado com os colaboradores: “a empresa não vai quebrar e eu não vou morrer. Vamos combinar isso?”.

“Num processo tão delicado quanto o que a empresa estava passando, as pessoas precisavam se apegar em algo. Eu percebi que eles se apegaram a mim, ao meu estilo de liderança e à forma como eu estava conduzindo as operações da Officer”, recorda Luiz. Aquilo sua motivação para seguir em frente e lutar, pois ele era responsável não apenas pela sua vida. “Eu lutava também pela vida daquelas pessoas e transmitia a esperança de que as coisas iriam dar certo. Tanto em casa quanto no trabalho, eu tinha a certeza de que não poderia decepcionar as pessoas. Então, desistir não era uma opção”.

Tamanha determinação valeu a pena, quando a Officer teve o plano de recuperação judicial aprovado, dando início ao processo de transformação em uma empresa mais enxuta e focada em resultados.

Compartilhando experiências

Apesar de tantos desafios vividos e superados, Luiz acredita que ainda tem muito a fazer ainda. É atualmente sócio-investidor do restaurante Le Bife, comandado pelo chef Erick Jacquin, em que está explorando suas competências e habilidades em um novo mercado. Mas não descarta retomar sua carreira no mundo corporativo: “ainda tenho muita lenha pra queimar”, brinca ele.

Após ter tido tantos mentores em sua carreira, ele entende que passar adiante as orientações que recebeu para outros profissionais é uma forma de retribuir toda ajuda que recebeu ao longo dos anos. “Tenho 42 anos e tenho uma história de vida que me chancela a passar minhas experiências para os mais jovens. Tenho o hábito de fazer isso com pessoas da minha convivência e ampliar meu círculo de influência é algo muito interessante de forma a impactar ainda mais pessoas positivamente”, diz ele.

Por entender o valor que sua história de vida e carreira possuem, Luiz também se tornou palestrante e orador, abordando os temas que fizeram parte de sua trajetória, como liderança, superação, resiliência, adaptação às mudanças, disciplina, entre outros assuntos.

Luiz também é advisor na Knowe.co e está pronto para compartilhar outros detalhes de sua história de superação, resiliência e muito sucesso com você! Para marcar uma sessão com ele, acesse o site da Knowe.co!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *